30 de abril de 2015

Resiliência

Tem alguma coisa mais certa que o normal acontecendo comigo: voltei a cantar Legião Urbana mentalmente. Já posso até mesmo falar tranquilamente sobre o que em outras épocas me foi tão prejudicial. 
Tenho aos poucos adquirido essa força, sabe? Essa que depende mais de nossos próprios confrontos consigo mesmos e menos de fatores externos, que só vão adquirir significado quando assim os permitirmos.

*Resiliência: combinação de fatores que propiciam ao ser humano condições para enfrentar e superar problemas e adversidades sem entrar em surto psicológico.

9 de abril de 2015

Humanamente imperfeitos

Somos números. Perdemos nomes, rostos, identidades. Somos apenas representações ocupando espaço, não sabemos o que fazer com nossos corpos, não há lugar para eles, e por isso mesmo nos permitimos os rótulos que não nos diferem. Somos contas que deram errado, não queremos a diferenciação, pois ela implica consequências. Nossas assimetrias demonstram o quão imperfeitos e humanos somos, ou deveríamos ser. Queremos nos camuflar em um meio social que está fadado a rotina, a monotonia, ao fracasso. 
É uma pena eu não gostar de números. E ser adepta a ironia.

3 de abril de 2015

O nobre morador do feixe de luz e seus sábios conselhos

     Morador do feixe de luz: Me fale sobre a sua amiga borboleta.
Encantadora de borboletas: Não tive mais notícias dela... Ela ficou lá, sozinha...
                                        Tão triste perder amizades dessa maneira.
    Morador do feixe de luz: Tem que aprender a capturar as borboletas na hora certa.
                                         De nada serve a beleza de uma borboleta se não há ninguém para                                                                contemplar.
Encantadora de borboletas: Mas eu estava contemplando, juro. 
     Morador do feixe de luz: Contemplar do lado errado do vidro de nada serve.
Encantadora de borboletas: Serve sim... Estávamos as duas em meio a nossas individualidades...
     Morador do feixe de luz: Mas se tu estavas do lado errado, como saber se ela contemplou a tua                                                        beleza?
                                         Talvez o vidro tenha abafado os dizeres dela...
Encantadora de borboletas: Mas naquele momento em que nossos "olhares" cruzaram-se, nossas                                                          vidas também foram diretamente afetadas.
     Morador do feixe de luz: Tu diz isso pra mim, agora.
                                         Mas disse isso pra borboleta antes de ela ir embora?
Encantadora de borboletas: Claro que eu disse, por acaso eu tenho cara de quem não conversa                                                              educadamente com borboletas?
     Morador do feixe de luz: De maneira alguma iria insinuar algo desta forma, minha cara                                                                        encantadora de borboletas.
                                         Só digo que é importante estar do lado certo do vidro. Não correr riscos                                                        do vidro abafar ou distorcer dizeres tão belos.
Encantadora de borboletas: É fácil dizer isso... Mas um contato mais próximo dependeria dela voar                                                          para o lado de dentro, ou eu escalar a janela pelo lado de fora.
                                         Então acredito que não cabia a mim uma atitude.
     Morador do feixe de luz: Ou, simplesmente, de abrir a janela e convidá-la para adentrar o recinto.
                                         Não creia tu de que as borboletas não sejam seres inteligentes.
                                         É uma espécime tão sábia quanto é bela.
Encantadora de borboletas: A janela já estava aberta, porém ela não se sentiu muito confortável em                                                        entrar, acho.
                                         E quem sou eu pra mandar em um ser tão inteligente!
     Morador do feixe de luz: Mas... Se estava aberta, como então poderia haver um vidro? E, ainda                                                          mais, um lado errado?
                                         Sabes bem em compreender que não pode mandar nas borboletas.
                                         Mas podes, com toda a doçura, convencer de que o lado certo é o lado                                                        onde ela deve repousar.
Encantadora de borboletas: Vai explicar isso pras borboletas de hoje em dia... Teimosas.
     Morador do feixe de luz: Talvez tu precises observar os rouxinóis.
                                         Dizem que eles entregam do próprio sangue para transformar uma rosa                                                        branca em vermelha.
Encantadora de borboletas: Estou precisando conhecer esses aí.
     Morador do feixe de luz: Procure pelos contos do Oscar Wilde.
                                         O final da história do rouxinol é triste, mas...
                                         Quem sabe... Quem sabe, podemos reescrever para um final melhor?
Encantadora de borboletas: Procurarei sim... Sempre podemos!
     Morador do feixe de luz: Bom saber da sua tão nobre disposição!
                                         Sempre que quiser compartilhar dos meus sábios conselhos, podes me                                                        encontrar aqui, no feixe de luz próximo ao fim do mundo.

*Participação especial de um nobre morador de um feixe de luz tão tão distante.