15 de janeiro de 2013

Sobre quem somos. Ou acreditamos ser

E mais uma vez, como tem acontecido já há alguns anos desde que tenho este blog, venho aqui nesse dia para fazer aquele texto nostálgico, repensando toda minha vida e as coisas que aconteceram nesse último ano, e de alguma maneira involuntária, também pra relembrar aquelas velhas histórias e fatos de que há a cada ano mais responsabilidades, mais escolhas necessárias a serem feitas, e todos esses clichês que todos estão cansados de ler.
Mas a verdade é que hoje em especial, meu raciocínio tem seguido um rumo diferente: afinal, qual é o sentido de fazer e consequentemente, de comemorar aniversários? Eu hoje olhei-me no espelho, e não vi em lugar nenhum alguma mensagem subliminar avisando que até hoje, passaram-se dezessete verões de minha existência. Eu continuo a mesma de ontem à noite. A mesma de semana passada. Até mesmo do mês passado. Será?
Um ano. Foram trezentos e sessenta e seis dias de transformações. Quem eu era a um ano? Quem eu serei daqui mais alguns?
Acredito que como um rio, que a cada vez que nos depararmos com ele será um rio diferente, apesar de aparentemente tudo permanecer igual. Assim é nossa constituição mais profunda, tudo está constantemente mudando. Ás vezes há calmaria. Às vezes, tempestade. E continuamos sendo a mesma pessoa. Ou achando que somos.

Nenhum comentário: