29 de maio de 2010

Aquele amor


A música continuava tocando. Deixei que ela me levasse embora, me guiasse até onde eu deveria estar. A lua me olhava nos olhos, mais perto que de costume, aquele som que até então ecoava dentro de mim, agora começava a esvair-se entre o ar frio que batia contra o meu rosto, batia sem causar ferimentos, era inofensivo.
Não me fazia mal algum, naquele momento os meus mais sérios problemas haviam desaparecido com a música, agora o silêncio é que dominava a noite, meus pensamentos faziam com que meus passos andassem mais depressa. Eu não tinha mais como impedir, tudo que eu precisava era visualizar sua sombra em meio à escuridão que aos poucos ia se tornando ainda mais intensa, então de uma sombra você se tornaria real. Era o que eu queria, era o que eu precisava.

Cada momento tinha uma magia incrível, a magia sincera que não exige rótulos, que apenas existe.

Nenhum comentário: